segunda-feira, 11 de julho de 2011

Traqueia sintética salva vida de paciente

Pesquisadores europeus misturaram nanotecnologia e engenharia de tecidos para criar uma traqueia totalmente artificial, que pode ter salvado a vida de um paciente com câncer nesse órgão. 

O feito foi noticiado pela rede britânica BBC um mês após o transplante do órgão sintético, considerado um sucesso pela equipe. A operação aconteceu na Suécia, no Hospital Universitário Karolinska, e foi coordenada pelo italiano Paolo Macchiarini. 

Segundo a BBC, o receptor da traqueia, o geólogo Andemariam Teklesenbet Beyene, 36, da Eritreia (África Oriental), está se recuperando bem da cirurgia. Ele cursava o doutorado na Islândia quando foi diagnosticado com um tumor na traqueia. 

UCL/Divulgação
"Esqueleto" da traqueia artificial foi desenvolvido por pesquisadores do University College de Londres
"Esqueleto" da traqueia artificial foi desenvolvido por pesquisadores do University College de Londres  
O câncer, com o tamanho de uma bola de tênis, ameaçava sufocar o geólogo. O único caminho era removê-lo, carregando junto a traquéia inteira do paciente. 

Para substituir o órgão que seria perdido, os especialistas primeiro obtiveram uma imagem tridimensional da traqueia de Beyene, detalhada o suficiente para permitir a recriação dela. 

Entrou em cena, depois disso, uma equipe do University College de Londres, liderada por Alexander Seifalian. 

Eles foram responsáveis por desenvolver o "esqueleto" da traqueia sintética, montado com técnicas de nanotecnologia (a manipulação de estruturas com tamanho de bilionésimos de metro). 

Graças aos dados 3D, que serviram de molde virtual, os pesquisadores produziram uma réplica praticamente idêntica à traqueia original. 

SEMEANDO
A estrutura e a composição do "esqueleto" da traqueia, patenteados pela universidade britânica, minimizam as chances de rejeição do transplante e incentivam o crescimento de células do próprio paciente sobre o objeto. 

E esse foi o passo seguinte: a obtenção de células tronco da medula óssea do geólogo, as quais foram cultivadas num "ensopado" em especial em laboratório, junto com o esqueleto da traquéia feito previamente.

O conjunto também incluía células obtidas do nariz de Beyene -importantes por causa da conexão direta desse órgão com a traqueia. 

No fim, os cientistas obtiveram uma estrutura com características biológicas muito parecidas com as de uma traqueia natural.Como as células que recobriram o esqueleto do órgão são do próprio paciente, e como a estrutura não biológica é inerte, não havia perigo de rejeição. 

Numa operação que durou 12 horas, a equipe coordenada por Paolo Macchiarini retirou a traqueia afetada pelo tumor e a substituiu pelo órgão criado em laboratório. 


Hospital universitário Karolinska/UCl
Cena do transplante sofrido pelo geólogo Andemariam Teklesenbet Beyene, da Eritreia
Cena do transplante sofrido pelo geólogo Andemariam Teklesenbet Beyene, da Eritreia  
 
FUTURO
O próximo passo da equipe é usar outra traqueia artificial para substituir o órgão numa criança coreana de nove meses, portadora de malformação congênita. 

O grupo aposta que estruturas assim serão usadas para reconstruir outros órgãos. 

Fonte; Folha.com 
Temos como intuito postar notícias relevantes que foram divulgadas pela mídia e são de interesse do curso abordado neste blog. E por isso esta matéria foi retirada na íntegra da fonte acima citada, portanto, pertencem a ela todos os créditos autorais

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens Recentes