sexta-feira, 22 de abril de 2011

Instituto do Câncer usa ultrassom antitumo

O equipamento de última geração usa ondas de alta intensidade, que atingem só o tumor -elas são direcionadas com auxílio da ressonância magnética. 

O tratamento dura de três a quatro horas e dispensa cortes. O paciente permanece consciente o tempo todo. 

As aplicações clínicas já estabelecidas são para miomas e metástases ósseas. O Icesp já fez seis tratamentos em miomas e vai começar a tratar os tumores nos ossos na próxima semana. 

A previsão é usar a técnica em pesquisas clínicas para outros tipos de câncer. O ultrassom com foco de alta intensidade está sendo testado para tumores cerebrais, de mama e de próstata, nos EUA, na Europa e na Ásia. 

O Icesp também está desenvolvendo pesquisas para levar remédios ao tumor com auxílio do aparelho.
Nesse tipo de tratamento, quimioterápicos em alta concentração são "envelopados" em cápsulas sensíveis ao calor. Aquecidas pelo ultrassom, liberam a droga apenas no local do câncer.
O aparelho, chamado Hifu (ultrassom com foco de alta intensidade, na sigla em inglês), foi desenvolvido por uma empresa israelense. O Estado de São Paulo pagou R$ 1,5 milhão por ele. 

Segundo Marcos Menezes, radiologista do Icesp e do Hospital Sírio-Libanês, o novo aparelho emite ondas 20 mil vezes mais intensas que as do ultrassom comum, usado em exames de imagem. 

São emitidos mais de mil feixes de ondas, que se concentram na área a ser atingida, em um foco de 1 mm de diâmetro. O processo é similar ao da lente de aumento, que focaliza múltiplos raios de luz em um único ponto. 

Cada feixe de ultrassom isoladamente passa pelos tecidos sem causar dano. É só onde os feixes convergem que acontece o superaquecimento que queima o tumor.




RESTRIÇÕES
Para o cirurgião oncológico Ademar Lopes, do Hospital A.C. Camargo, o uso cirúrgico do ultrassom ainda está no início. "Precisamos de mais pesquisas para comprovar a eficácia e saber se os tumores não voltam." 

O secretário de Estado da Saúde de São Paulo, Giovanni Cerri, diz que é vocação do Icesp incorporar novas tecnologias. "A vantagem do ultrassom é que é totalmente não invasivo." 

Mesmo assim, o tratamento é dolorido. A assistente social Maristela de Oliveira, 47, tratou de dois miomas com a nova tecnologia. "A sensação é como uma cólica muito forte", afirma. 

Menezes lembra que a tecnologia, embora segura, tem limitações: "Dependendo da localização do tumor, não pode ser usada. Se as ondas cruzam órgãos onde há gases, como pulmão ou intestino, elas são refletidas e podem queimar os tecidos em volta." 

O aparelho não pode ser usado em quem usa marca-passo próteses metálicas. 

Temos como intuito postar notícias relevantes que foram divulgadas pela mídia e são de interesse do curso abordado neste blog. E por isso esta matéria foi retirada na íntegra da fonte acima citada, portanto, pertencem a ela todos os créditos autorais. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens Recentes