quinta-feira, 31 de março de 2011

Combate à tuberculose – doença é um dos principais problemas de saúde pública

Considerada um dos principais problemas de saúde pública no Brasil, a Tuberculose é doença contagiosa, transmitida pelo ar, em locais pouco ventilados e com aglomerações, que ataca principalmente o pulmão.

Hoje, o Brasil ocupa a 19º posição no ranking entre os 22 países responsáveis por 80% do total de casos de tuberculose no mundo. São notificados anualmente 72 mil novos casos da doença no país.  

Passível de ser prevenida, tratada e mesmo curada, a tuberculose ainda mata cerca de 4.700 pessoas todos os anos no Brasil. Os dados são do Fundo Global Tuberculose Brasil, que preparou ações em todo o país para marcar o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, lembrado hoje (24). O maior desafio, segundo o Fundo, é a mobilização social a partir da realização de uma agenda comum, capaz de alertar e orientar a população sobre os riscos da doença, os sintomas, a prevenção, o diagnóstico e o tratamento.

A data foi criada em 1982 pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em homenagem aos 100 anos do anúncio do descobrimento do bacilo causador da tuberculose. A doença infectocontagiosa afeta principalmente os pulmões, mas também pode ser identificada em órgãos como ossos, rins e meninges (membranas que envolvem o cérebro).

De acordo com o Ministério da Saúde, os sinais e sintomas mais frequentes são tosse seca contínua no início e com presença de secreção por mais de quatro semanas, transformando-se em uma tosse com pus ou sangue. Há ainda cansaço excessivo, febre baixa geralmente no período da tarde, sudorese noturna, falta de apetite, palidez, emagrecimento acentuado, rouquidão, fraqueza e prostração.

Alguns pacientes, entretanto, não exibem nenhum indício da doença, enquanto outros apresentam sintomas aparentemente simples, ignorados durante alguns meses ou mesmo anos.

A transmissão da tuberculose é direta, de pessoa a pessoa. O doente expele, ao falar, espirrar ou tossir, pequenas gotas de saliva que podem ser aspiradas por outro indivíduo. Pessoas com aids, diabetes, insuficiência renal crônica, desnutridas, além de idosos doentes, alcoólatras, viciados em drogas e fumantes são mais propensos a contrair a tuberculose.

Para prevenir a doença é necessário imunizar crianças de até 4 anos – sobretudo as menores de 1 ano – com a vacina BCG. A prevenção inclui ainda evitar aglomerações, especialmente em ambientes fechados.

Tuberculose em números
Dos 22 países com maior número de casos no mundo, o Brasil ocupa o 19º lugar do ranking, apresentando 72 mil casos novos por ano e 4,8 mil mortes, de acordo com dados de 2010 do Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT) do Ministério da Saúde (MS). A incidência média é de 37,8 casos por 100 mil habitantes. A meta do milênio é de erradicar a tuberculose até 2050, mas até 2015 o Brasil tem de reduzir pela metade os números de casos e de mortes, conforme pactuado com a Organização Mundial de Saúde (OMS).


Saúde lança campanha no Dia Mundial de Luta contra a Tuberculose
O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, lançou hoje (24), em Brasília, uma nova campanha publicitária para alertar a população quanto ao principal sintoma da tuberculose: tosse por mais de três semanas. O objetivo é estimular a população a procurar diagnóstico precoce da doença nas unidades de saúde públicas e privadas. O tratamento é oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e dura seis meses. Quando realizado sem interrupções, o paciente é curado, além de deixar de transmitir a doença logo nas primeiras semanas.

A mensagem da campanha é: “Tosse por mais de três semanas pode ser tuberculose. Procure uma unidade de saúde”. Esse é o foco para alertar a população quanto à necessidade de diagnosticar precocemente a doença e evitar a transmissão para familiares e pessoas que convivem com o paciente.

Foram produzidos vídeos para televisão e spots de rádio, que serão divulgados em veículos de alcance nacional e regional, além de 2 milhões de folhetos, 300 mil cartazes, 500 mil folders para profissionais de saúde. Todo material gráfico será enviado às Secretarias Estaduais de Saúde, que fazem a distribuição aos municípios. Haverá, também, outdoors e peças de mobiliário urbano para paradas de ônibus das maiores cidades do país e divulgação no portal do MS e em redes sociais da internet (Facebook, Twitter, Orkut e Formspring).

Profissionais de saúde - Para a campanha contra a tuberculose, também foi produzido um material informativo para os profissionais de saúde em geral, que chama atenção para a importância de realizar exame de cultura, além da baciloscopia. Ambos os exames são feitos a partir de amostra de escarro do paciente.

O exame de cultura é indicado quando não é possível, por meio da baciloscopia, identificar imediatamente o bacilo de Koch, causador da doença, na amostra do paciente. Daí a necessidade de deixar o bacilo crescer em laboratório para fazer o diagnóstico.

Isso leva, no mínimo, 15 dias, mas esse exame é mais sensível para a detecção da tuberculose, além do método permitir a identificação de bactérias resistentes aos medicamentos. De acordo com o Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), o exame de cultura pode elevar em até 30% a detecção de casos de tuberculose.

Outra ação da campanha é o envio de uma mensagem (e-mail marketing) para enfermeiros e médicos dos conselhos federais de Medicina (CFM) e Enfermagem (Cofen) com informações sobre a doença e ressaltando a importância da atuação desses profissionais no diagnóstico de casos.

Profissionais de saúde que atuam no sistema penitenciário – A nova campanha contra a tuberculose traz, ainda, um material inédito, destinado aos profissionais de saúde que atuam no sistema penitenciário. A razão é a alta incidência da doença entre a população carcerária: 25 vezes maior do que na população em geral, que é de 37,99 casos por 100 mil habitantes. Isso ocorre principalmente pela insalubridade e pela superlotação das celas.

No folder desenvolvido para os profissionais de saúde que lidam com pessoas encarceradas, há informações sobre a doença e como diagnosticar e tratar os casos de tuberculose, entre outras orientações. Ao todo, foram produzidos 20 mil exemplares, que serão enviados para a Diretoria de Políticas Penitenciárias do Ministério da Justiça, parceiro encarregado da distribuição dos folders aos estados.






Fonte: Portal da Enfermagem | RS Press | UOL
Temos como intuito postar notícias relevantes que foram divulgadas pela mídia e são de interesse do curso abordado neste blog. E por isso esta matéria foi retirada na íntegra da fonte acima citada, portanto, pertencem a ela todos os créditos autorais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postagens Recentes